PRIMEIRO MINISTRO FAZ O LANÇAMENTO DO NOVO CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES (12 CLASSE + 3 ANOS)
Imagem da Notícia

Sua Excelência Dr. Carlos Agostinho do Rosário, Primeiro Ministro da República de Moçambique lançou, no passado dia 23 de Agosto de 2019, o Novo Curso de Formação de Professores do Ensino Primário e Educadores de Adultos. A Cerimónia teve lugar no Instituto de Formação de Professores de Quelimane, província da Zambézia e contou com a presença de Sua Excelência Conceita Sortane, Ministra da Educação e Desenvolvimento Humano e o Excelentíssimo Senhor Governador da Zambézia, Abdul Razaque e outras individualidades.

O curso decorre em 19 instituições de formação de professores (16 públicas e 3 Comunitárias ADPP Moçambique). O curso em vigor, conta com um efectivo de 1.890 formandos, dos quais 50% são mulheres;

A Formação vai decorrer em regime de internato durante três anos, sendo o 6º semestre reservado a realização de Estágio Profissional. O curso baseado em competências, permite que após a formação exerçam actividade de ensino para crianças e Adultos e está equiparado aos cursos dos países da região da SADC e responde também aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

Este curso engloba disciplinas que respondem o factor multilingue e multicultural que caracteriza Moçambique. O Currículo prepara igualmente formandos para atender às pessoas que necessitam de Educação Especial (necessidades Educativas especiais, línguas Moçambicanas sua estrutura e didáctica, línguas de Sinais de Moçambique e sistema braille).

O novo curso está estruturado de modo a desenvolver sete competências organizadas em três domínios: Domínio pessoal e social, Domínio de conhecimentos científicos e Domínio de habilidades profissionais.

O primeiro Ministro frisou que, os professores passam a ter uma preparação prática e integral que lhes confere habilidades para leccionarem em regime de monodocência e de efectiva inclusão. O mesmo professor estará preparado para o ensino bilingue o que significa que, durante o processo de ensino e aprendizagem será permitido o uso das línguas maternas para facilitar a compreensão das matérias pelos alunos.​